Receita de pão alentejano

 

2,5kg de farinha

50gr de sal grosso

125gr de fermento de massa (adquira numa padaria)

1,5l de água

Põe-se a farinha num alguidar suficientemente grande; abre-se, no centro da farinha, um buraco, onde se deitam 2l de água morna com o sal; mistura-se bem o fermento na água; mexe-se a farinha até que esta ensope totalmente a água; à medida que se amassa, sempre que a massa borbulhar, borrifa-se com água tépida; deixa-se a massa em descanso a levedar, cobrindo o alguidar com um pano; em levedando 2 a 3cm no alguidar, tendem-se os pães; cozem-se em forno bem quente durante 1 hora aproximadamente.

E quem não conhece o tão "afamado paposeco"?

 

Nota1: antigamente o pão era feito em casa e cozido em forno de lenha, num forno, a que eu chamaria de "comunitário"; este forno estava a cargo de uma mulher, que o acendia de tempos a tempos e em épocas festivas; era lá que se coziam também os  assados de borrego, os bolos fintos da Páscoa e outros bolos, que as mulheres confeccionavam no próprio lugar, para que não estivessem muito tempo batidos antes de ir para o forno; também se aproveitava para se assarem os tomates com pimentos; porque as pessoas não tinham forno em casa; lembro-me que havia dois destes fornos - um na rua, perto do Arco dos Santos e o outro, na rua que fica por detrás da casa, onde viveu o Dr. Estrela. Terão sido conservados? Penso que não! As pessoas amassavam pão para algum tempo, às vezes quinze dias; o pão era colocado num tabuleiro de madeira e coberto por uma espécie de manta de trapos, feita no tear manual

Nota 2: leiam "A oração ao pão" de Guerra Junqueiro! Que belo poema! Faz bem à alma!

 

 

Voltar atrás